web analytics

Civilizações no Universo se extinguem logo após alcançarem altos níveis tecnológicos, sugere astrofísico

Aqui está mais uma presunção de um cientista sobre a vida extraterrestre, lembrando que a primeira coisas que a grande maioria dos cientistas fazem é ignorar os sinais já registrados de visitação extraterrestre à Terra:

Civilizações no Universo se extinguem

A Terra não é única. Há bilhões de outros planetas que circulam bilhões de outras estrelas no Universo. Considerando a vastidão do espaço, é lógico pensar que deve haver uma vida inteligente lá fora.

Então, onde estão essas espécies extraterrestres avançadas e por que não as detectamos ainda?

Um astrofísico sugere que as espécies, como a nossa, se extinguem logo após atingir altos níveis de tecnologia.

Daniel Whitmire, um astrofísico aposentado que ensina matemática na Universidade de Arkansas, uma vez pensou que o silêncio cósmico indicava que a nossa espécie havia ficado para trás. Ele agora é de opinião diferente.

Whitmire disse:

Ensinei astronomia por 37 anos. Eu costumava dizer aos meus alunos que por estatística, nós devemos ser os caras mais burros da galáxia. Afinal, só nos tornamos tecnológicos há cerca de 100 anos, enquanto outras civilizações poderiam ser mais tecnologicamente avançadas do que nós por milhões ou bilhões de anos.

 

Somos uma espécie típica no Universo?

Hoje, Whitmire acha que nós, os seres humanos, somos uma espécie típica no Universo. Então, por que ele mudou de ideia e em que é o seu pressuposto baseado?

Ao aplicar um conceito estatístico chamado princípio da mediocridade – a ideia de que, na ausência de qualquer evidência em contrário (que eles simplesmente ignoram mesmo se fosse mostrada na cara deles), devemos considerar-nos típicos, e não atípicos, Whitmire concluiu que nossa espécie pode não ser tão primitiva quanto antes se pensou, mas sim média.

O argumento baseia-se em duas observações: somos a primeira espécie tecnológica a evoluir na Terra, e estamos non início do nosso desenvolvimento tecnológico. (Ele define “tecnológico” como uma espécie biológica que desenvolveu dispositivos eletrônicos e pode alterar significativamente o planeta).

A primeira observação parece óbvia, mas, como observa Whitmire em seu artigo, os pesquisadores acreditam que a Terra deve ser habitável para a vida animal pelo menos um bilhão de anos no futuro. Com base em quanto tempo levou proto-primatas a evoluírem para uma espécie tecnológica, isso deixa tempo suficiente para que isto aconteça novamente até 23 vezes.

Nessa escala de tempo, poderia haver outros antes de nós, mas não há nada no registro geológico para indicar que não fomos os primeiros. “Deixaríamos um pedaço de uma impressão digital se desaparecêssemos durante da noite para o dia”, observou Whitmire.

Por definição de Whitmire nos tornamos “tecnológicos” após a revolução industrial e a invenção do rádio, ou há cerca de 100 anos. De acordo com o princípio da mediocridade, uma curva de sino das eras de todas as civilizações tecnológicas existentes no Universo nos colocaria no meio de 95 por cento.

 

Em outras palavras, as civilizações tecnológicas que durarem milhões de anos, ou mais, seriam altamente atípicas. Como somos primeiro, outras civilizações tecnológicas típicas também devem ser as primeiras. O princípio da mediocridade não permite nenhum segundo ato. A implicação é que, uma vez que as espécies tornam-se tecnológicas, elas se consomem e levam a biosfera com elas.

Ele disse:

Se não formos típicos, então minha observação inicial seria correta. Seríamos os homens mais estúpidos da galáxia pelos números.

A teoria de Whitmire é muito interessante, mas também há outros cientistas proeminentes que discutiram como classificar as civilizações extraterrestres .

Em um artigo seminal publicado em 1964 no Jornal da Astronomia Soviética, o astrofísico russo Nicolai Kardashev teorizou que as civilizações avançadas devem ser agrupadas de acordo com três tipos: Tipo I, II e III, que dominaram as formas planetárias, estelares e galácticas, respectivamente.

Ele calculou que o consumo de energia desses três tipos de civilizações seria separado por um fator de muitos bilhões.

O Dr. Michio Kaku disse:

Embora seja impossível prever as características precisas dessas civilizações avançadas, seus grandes conceitos podem ser analisados ​​usando as leis da física. Não importa quantos milhões de anos nos separa deles, eles ainda devem obedecer as leis rígidas da física, que agora são avançadas o suficiente para explicar tudo, desde partículas subatômicas até a estrutura em larga escala do universo, através de 43 surpreendentes ordens de magnitude.

Como nunca tivemos contato com uma raça extraterrestre avançada, é realmente impossível prever as características precisas de civilizações tão avançadas.

(Fonte)

O que foi citado por Daniel Whitmire é somente a opinião do astrofísico, com base no princípio da mediocridade, sem considerar que, estatisticamente, entre bilhões e mais bilhões de planetas existentes no Universo, grande parte deles sendo muito mais velhos do que a Terra por bilhões de anos, a lógica indica que tanto teríamos civilizações menos avançadas que nós, como também muito, mas muito mais avançadas. A questão das civilizações se nivelarem ao avançarem tecnologicamente e se auto-extinguirem, na minha opinião, é somente uma presunção extraída da cabeça humana, com base no comportamento humano, e não leva em consideração que assim como na própria Terra temos animais com os tipos mais diferentes de temperamentos, as civilizações alienígenas também devem ser tão distintas em seu temperamento quanto o número de estrelas no Universo.

Alguém que alcance um nível tecnológico super avançado e continue burro para não tornar sua sociedade auto-sustentável, então é melhor que entre em extinção mesmo… e essa parece ser a nossa estrada.

E, complementando o que mencionei no início deste artigo, embora o fenômeno dos OVNIs seja comprovadamente real, não só por registros de testemunhas de todos os níveis da sociedade, mas também por cientistas, é impressionante o fato que a ciência de tendência predominante continua dando as costas ao fenômeno, ignorando-o como se isto fosse algum tipo de pecado científico.

Uma lástima. Mas por sorte ainda há aqueles dispostos a encarar o fenômeno com seriedade, embora sejam muito poucos e com poucos recursos.

Veja porque a maioria dos cientistas tem medo de abordar o fenômeno dos OVNIs:

Entenda porque a comunidade científica tem medo do fenômeno dos OVNIs

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh