web analytics

Planeta similar à Terra pode estar a somente 16 anos-luz de nós

Talvez o título da matéria deveria ser: “Há bilhões de planetas como a Terra na nossa galáxia, e muitos deles habitados por vida inteligente”. Mas como os cientistas ainda não têm a capacidade tecnológica de afirmar isso, nos contentamos com mais um artigo mostrando que a probabilidade de sermos únicos no Universo é ZERO!

Planeta similar à Terra

Os astrofísicos preveem que um planeta parecido com a Terra possa estar à espreita em um sistema estelar, apenas a 16 anos-luz de distância. A equipe investigou o sistema estelar Gliese 832 atrás de exoplanetas adicionais que residem entre os dois mundos alienígenas atualmente conhecidos neste sistema. Seus cálculos revelaram que um planeta terrestre adicional com uma configuração dinamicamente estável pode residir à uma distância que varia de 0,25 a 2,0 unidade astronômica (AU) da estrela.

O autor principal do estudo, Suman Satyal, pesquisador de física da Universidade do Texas em Arlington, disse:

De acordo com nossos cálculos, este mundo alienígena hipotético provavelmente teria uma massa entre 1 a 15 massas da Terra.

O artigo é de co-autoria de John Griffith, estudante de graduação da UTA, e do professor de física da UTA de longa data, Zdzislaw Musielak.

Em 2014, Noyola, Satyal e Musielak publicaram no The Astrophysical Journal achados relacionados às emissões de rádio, indicando que uma exolua poderia estar orbitando um exoplaneta, onde sugeriram que as interações entre o campo magnético de Júpiter e de sua lua Io podem ser usadas para detectar exoluas em sistemas planetários distantes.

Gliese 832 é uma anã vermelha e tem pouco menos de metade da massa e do raio do nosso Sol. A estrela é orbitada por um gigantesco exoplaneta similar a Jupiter, designado de Gliese 832b e pelo planeta Super-Terra Gliese 832c. O gigante de gás com 0,64 massas de Júpiter está orbitando a estrela à uma distância de 3,53 UA, enquanto o outro planeta é potencialmente um mundo rochoso, cerca de cinco vezes mais maciço do que a Terra, residindo muito perto de sua estrela hospedeira – cerca de 0,16 AU.

Para essa pesquisa, a equipe analisou os dados simulados com um planeta de massa terrestre injetado neste sistema planetário próximo, esperando encontrar uma configuração orbital estável para o planeta, que pode estar localizada em um vasto espaço entre os dois planetas conhecidos.

Gliese 832b e Gliese 832c foram descobertos pela técnica de velocidade radial, que detecta variações na velocidade da estrela central, devido à mudança de direção da atração gravitacional de um exoplaneta não visto quando ele orbita a estrela. Ao observar regularmente o espectro de uma estrela – e, assim, medindo sua velocidade – pode-se ver se ele se move periodicamente devido à influência de um companheiro.

Satyal, que obteve seu Ph.D. Em Astrofísica da UTA em 2014, disse:

Também usamos os dados integrados da evolução do tempo dos parâmetros orbitais para gerar as curvas de velocidade radial sintética dos planetas conhecidos e do planeta similar à Terra no sistema. Obtivemos várias curvas de velocidade radial para diferentes massas e distâncias, indicando um possível novo planeta do meio.

Por exemplo, se o novo planeta estiver localizado em torno de 1 UA da estrela, ele possui um limite de massa superior de 10 massas da Terra e um sinal de velocidade radial gerado de 1,4 metros por segundo. Um planeta com cerca da massa da Terra no mesmo local teria um sinal de velocidade radial de apenas 0,14 m / s, portanto, muito menor e difícil de detectar com a tecnologia atual.

Satyal ainda observou:.

A existência deste possível planeta é suportada pela estabilidade orbital a longo prazo do sistema, a dinâmica orbital e a análise sintética do sinal de velocidade radial. Ao mesmo tempo, um número significativamente maior de observações de velocidade radial, estudos de métodos de trânsito, bem como imagem direta, ainda são necessários para confirmar a presença de novos planetas possíveis no sistema Gliese 832.

(Fonte)

Já imaginaram que 16 anos-luz não é uma distância tão grande assim em termos astronômicos, e que uma civilização alienígena avançada não precisa nem estar viajando à velocidade da luz para chegar aqui em pouco tempo. Seriam 32 anos se viajassem à metade da velocidade da luz, e isso sem contar que até mesmo nós, praticamente homens da caverna, já estamos chegando à conclusão de que é possível “dobrar” o espaço para cobrirmos enormes distâncias como se elas não existissem.

Dos trilhões de planetas ou mais em todo o nosso Universo, certamente temos milhões de níveis diferentes de desenvolvimentos nos bilhões de possíveis civilizações. Talvez as tecnologias das civilizações mais velhas sejam tão adiantadas, que nem sequer ainda vislumbramos o que elas podem conseguir em termos de viagem espacial.

Sim, eles já estão aqui, mas não se manifestam de forma incisiva, pois somos ainda muito primitivos para tal. Os fanáticos humanos iriam “pirar”

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh