web analytics

Poderia a anomalia do Atlântico Sul ser um portal para outros mundos paralelos?

portal para outros mundos

Os buracos negros são objetos estranhos que encontramos no espaço. Eles não são apenas misteriosos e fascinantes para astrônomos, mas também são forças incrivelmente poderosas.

Um buraco negro é um lugar no espaço onde a gravidade é tão forte que nem mesmo a luz não pode escapar.

A gravidade é tão forte porque a matéria foi comprimida em um espaço minúsculo. Isso pode acontecer quando uma estrela está morrendo.

Devido ao fato que nenhuma luz pode sair, as pessoas não conseguem ver buracos negros. Eles são invisíveis. A razão pela qual podemos conhecer a existência dos buracos negros é porque os telescópios espaciais com ferramentas especiais podem ajudar a encontrar buracos negros. As ferramentas especiais podem ver como as estrelas que estão muito próximas dos buracos negros agem de maneira diferente das outras estrelas.

Então, qual é a conexão entre a anomalia do Atlântico Sul e os buracos negros?

A Anomalia do Atlântico Sul (sigla SAA em inglês) refere-se à área onde o cinto de radiação interno de Van Allen se aproxima da superfície da Terra. Isso leva a um fluxo aumentado de partículas energéticas nesta região e expõe os satélites em órbita a níveis de radiação mais elevados do que o normal. O efeito é causado pela não-concentricidade da Terra e seu dipolo magnético, e a SAA é a região próxima da Terra onde seu campo magnético é mais fraco.

O formato da SAA muda ao longo do tempo.

Anomalia do Atlântico Sul

A Anomalia do Atlântico Sul é de grande importância para os satélites astronômicos e outras naves espaciais que orbitam a Terra a várias centenas de quilômetros de altitude; essas órbitas fazem com que os satélites passem pela anomalia periodicamente, expondo-os a vários minutos de radiação forte, causada pelos prótons presos no cinturão interno Van Allen.

Conforme descrito no artigo da Review Technology, “os vórtices que podem se formar em águas turbulentas são uma visão familiar. Edgar Allan Poe descreveu tal redemoinho em sua curta história “A Descent into a Maelstrom“, que publicou em 1841:

A borda do redemoinho foi representada por um cinturão largo de spray reluzente; mas nenhuma partícula disso escorregou para dentro da boca do fantástico funil … “

Nesta passagem, Poe descreve uma das características cruciais desses corpos rotativos de fluido: que eles podem ser pensados ​​como ilhas coerentes em um fluxo incoerente. Como tal, eles são essencialmente independentes de seu ambiente, cercados por um limite aparentemente impenetrável e com pouco, se algum, do fluido dentro deles vazando.

Se você está pensando que esta descrição tem uma vaga semelhança com um buraco negro, você está certo.

Haller e Beron-Vera colocam essa semelhança em uma base formal, descrevendo o comportamento de vórtices em fluidos turbulentos usando a mesma matemática que descreve os buracos negros.

Nesta imagem, o “cinturão largo de spray reluzente” de Poe é exatamente análogo a uma esfera de fótons em torno de um buraco negro.

Esta é uma superfície de luz que circunda um buraco negro sem entrar nele.

Haller e Beron-Vera continuam mostrando que cada limite do vórtice em um fluido turbulento contém uma singularidade, assim como um buraco negro astrofísico.

Isso tem implicações importantes para o estudo de fluidos e a identificação de vórtices, que de outra forma são difíceis de definir e detectar.

Neste caso, é simplesmente uma questão de procurar a singularidade e o limite que a rodeia.

E é exatamente isso que Haller e Beron-Vera fizeram no padrão de correntes no sudoeste do Oceano Índico e no Atlântico Sul. Um fenômeno bem conhecido nesta parte do mundo é chamado de vazamento de Agulhas, que vem da corrente de Agulhas no Oceano Índico.

Eles dizem:

No final de seu fluxo para o sul, essa corrente delimitadora volta para trás em torno de si mesmo, criando um “laço” que ocasionalmente se abate e libera redemoinhos (anéis de Agulhas) no Atlântico Sul.

Vórtices no nosso planeta são semelhantes aos buracos negros.

Esses caras usaram imagens de satélite do Oceano Atlântico Sul entre novembro de 2006 e fevereiro de 2007 para buscar vórtices, usando um conjunto de passos computacionais simples que detectam análogos de buraco negro.

Neste período de três meses, eles encontraram oito candidatos, dois dos quais se tornaram análogos de buracos negros, contendo esferas de fótons. Ele concluíram:

Encontramos cinturões de materiais excepcionalmente coerentes no Atlântico Sul, cheios de análogos de esferas de fótons em torno de buracos negros’, concluem.

Esse é um resultado interessante que poderia ter implicações significativas para a nossa compreensão da forma como as correntes oceânicas transportam materiais. Uma vez que qualquer coisa que entre nesses buracos negros não possa sair, isso deve prender qualquer lixo, óleo ou mesmo água, movendo-os de forma coerente a grandes distâncias. “Além da equivalência matemática, há também razões de observação para considerar os redemoinhos coerentes … como buracos negros”, dizem Haller e Beron-Vera.

O trabalho também levanta a possibilidade de que análogos de buracos negros ocorram em outras situações, como em furacões e não apenas na Terra. Por essa forma de pensar, o Grande Ponto Vermelho em Júpiter poderia muito bem ser o buraco negro mais famoso do Sistema Solar.

Uma possibilidade intrigante é de que tais vórtices notáveis ​​poderiam ser portais para mundos paralelos ou outras dimensões …

(Fonte)

Talvez também lhe interesse este outro artigo que fala sobre buracos negros:

Quanto mais buracos negros existirem no Universo, maior a chance de vida inteligente existir

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh