web analytics

Não encontramos (oficialmente) a vida alienígena porque estamos em processo de extinção, dizem cientistas

Os cientistas insistem em postular suas teses para justificar a aparente ausência de extraterrestres:

processo de extinção

Só a nossa galáxia, a Via Láctea, é o lar de entre 100 bilhões e 400 bilhões de estrelas, e cada uma é potencialmente orbitada por planetas. Provavelmente há pelo menos 2 trilhões de galáxias como a nossa no universo observável, cada uma povoada por trilhões de planetas orbitando centenas de bilhões de estrelas. Mesmo que os planetas capazes de sustentar a vida sejam extremamente raros, estatisticamente deve haver vida inteligente em algum lugar do Universo. Por exemplo, de acordo com o Business Insider, se apenas 0,1 por cento dos planetas em nossa galáxia que pudessem ser habitáveis ​​abrigassem a vida, isso significaria cerca de um milhão de planetas com vida sobre eles.

Esses números levaram o físico vencedor do Prêmio Nobel, Enrico Fermi, a perguntar sobre as formas de vida extraterrestres: “Onde estão?” Esta questão passou a ser conhecida como o paradoxo de Fermi, e a maioria das respostas possíveis seria preocupante para os seres humanos.

Especial preocupação é a hipótese do “Grande Filtro”, que postula que, antes que a vida inteligente tenha a oportunidade de escapar dos limites do seu planeta, atinge algum tipo de parede – o Grande Filtro. Há certos momentos de transição de uma perspectiva evolutiva que qualquer planeta como o nosso teria que dominar antes de se comunicar com outros mundos. Alguns acontecem nos estágios iniciais da vida, e no nosso caso, podemos estar enfrentando esse filtro neste momento em nossa evolução.

Mudança climática: nosso ótimo filtro?

A mudança climática, se for permitida continuar, acabará por destruir grande parte da vida na Terra, tal como a conhecemos. Foi o clima extremamente estável nos últimos 12 mil anos que permitiu que a civilização humana florescesse, beneficiando-se da agricultura e, finalmente, da industrialização (embora, ironicamente, isso também poderá causar a nossa destruição).

Pesquisas recentes apontam para várias características das espécies mais propensas a sobreviver aos rigores de um planeta devastado pela mudança climática: dois dos mais vitais são paladares indiscriminados e um ciclo reprodutivo rápido. Portanto, os seres humanos são basicamente o oposto dos tipos de criaturas consideradas como principais sobreviventes.

Em outras palavras, embora as coisas não se desdobrem da mesma maneira em diferentes planetas, é possível que haja tantos obstáculos para a vida superar, que outras civilizações não conseguiram. David Wallace-Wells escreveu na revista New York:

Em um universo de muitos bilhões de anos, com sistemas estelares separados tanto pelo tempo como pelo espaço, as civilizações podem surgir, desenvolver e desaparecer simplesmente rápido demais para encontrar uma outra.  . . . A extinção em massa que estamos vivendo apenas começou; muito mais morte está chegando.

Outras possibilidades

Outros pensadores têm respostas diferentes para o paradoxo de Fermi, que são ainda mais deprimentes (ou menos – dependendo da sua perspectiva). O neurocientista da Oxford, Anders Sandberg, o membro do Observatório Astronômico de Belgrado, Milan Ćirković, e o especialista em inteligência artificial (IA), Stuart Armstrong, sugeriram que os alienígenas não estão extintos, mas estão em hibernação, esperando que o universo esfriasse. O professor Zaza Osmanov, da Universidade Livre de Tbilisi, acredita que nossa busca por sinais de megastruturas alienígenas ainda não foi recompensada porque estamos olhando em torno das estrelas quando devemos olhar em torno dos pulsares.

E o físico Brian Cox sugere outra possibilidade; um conto cauteloso para a nossa própria civilização, bem como qualquer outra:

Pode ser que o crescimento da ciência e da engenharia ultrapassa inevitavelmente o desenvolvimento de conhecimentos políticos, levando ao desastre.

Se a vida inteligente se torna extinta logo que avança suficientemente, o físico acredita, “podemos aproximar-nos dessa posição”.

(Fonte)

Teorias interessantes, mas o que eles convenientemente e propositalmente esquecem de considerar e estudar são as incontáveis evidências de que temos sido visitados há muito tempo por outras inteligências, e há muitas razões para que estas entidades não queiram nos abordar de forma direta.

Contudo, é muito mais fácil simplesmente regurgitar teorias já levantadas por outros cientistas há décadas, justificando que não há ninguém lá fora, apesar dessa constatação ser matematicamente impossível, mesmo considerando-se a idade do Universo e a disparidade de tempo de evolução das espécies.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh