web analytics

Deveríamos procurar por alienígenas nos buracos negros

Ao contrário da visão da Disney, entrar em um buraco negro não o tornará Satan 2.0, reinando sobre as legiões dos malditos. Em vez disso, o interior de um buraco negro é realmente escuro e sem sentido. Ainda não é o destino, mas a jornada. A TopTrending publicou um ótimo vídeo de curta duração no YouTube, ilustrando os efeitos cada vez mais estranhos quando se aborda uma singularidade.

(Para informações de como ativar a legenda em português, embora esta não seja precisa, clique aqui):

Como ilustra o vídeo, o maior fenômeno experimentado é a dilatação do tempo à medida que se aproxima do ponto de não retorno, conhecido como “horizonte de eventos”. Os viajantes verão a descida lenta da nave, até parar e ficar presa como uma mosca em âmbar. Esses viajantes estão efetivamente fora da linha subjetiva do tempo do Universo. Por cada um de seus minutos, décadas, séculos ou milênios passam no lado de fora. Este fenômeno tem implicações para a busca da vida extraterrestre.

“Onde está todo mundo?” Esta é a questão central do paradoxo de Fermi. Quando apontamos nossos olhos e ouvidos para o céu, nos encontramos com um profundo silêncio. Durante meio século, a humanidade tem feito uma varredura dos céus por um sinal afirmando que não estamos sozinhos no Universo. A banda de rádio que tem a maior promessa de detectar uma vida similar à nossa própria situa-se entre 1.420 e 1.666 megahertz. Também conhecido como “buraco de água”, essas freqüências correspondem aos comprimentos de onda dos radicais hidroxilos (OH, 18cm) e hidrogênio (H, 21cm) que compõem H2O, também conhecido como água. Esta parte do espectro radioelétrico é relativamente silenciosa, tornando-a perfeita para a espionagem extraterrestre e inspirando a citação do Dr. Bernard Oliver: “Onde devemos encontrar nossos vizinhos? No buraco de água, onde as espécies sempre se reuniram “.

Frustrantemente essa banda, e outras, têm estado muito quietas. De acordo com dados do observatório Kepler, poderia haver até 40 bilhões de mundos habitáveis ​​em nossa galáxia. Em 2012, Thomas Hair e Andrew Hedman modelaram a expansão das civilizações interestelares, concluindo que uma civilização viajando a ¼ de 1% da velocidade da luz poderia colonizar a galáxia em 50 milhões de anos. [1] Com base nesses dados, os céus deveriam estar repletos de conversa.

Uma vez que a viagem mais rápida do que a luz não é uma possibilidade teórica, ainda assim, as civilizações estão presas com naves mais lentos do que a luz. Enquanto eles pulam entre sistemas estelares, esses seres seriam mais propensos a encontrar túmulos vazios ou planetas cheios de primitivos, em vez de colegas espaciais. Trazendo-nos de volta aos buracos negros, em vez de perder tempo e recursos valiosos, caçando outras civilizações, uma espécie poderia aguardar té que o resto do Universo a alcance, dentro de um buraco negro.

A busca por vida extraterrestre em torno de buracos negros levanta muitas questões. Aonde nós olhamos? O que procuramos? Em 2014, o Nuclear Spectroscopic Telescope Array (NuSTAR) da NASA e o observatório espacial Swift podem ter descoberto uma pista. Os buracos negros são cercados por coronas, constituídas por partículas energéticas que se deslocam a uma fração da velocidade da luz e que emitem raios-X.  O NuSTAR e o Swift observaram a corona do buraco negro supermassivo. Markarian 335, entrar em colapso para dentro, antes de ser ejetada, emitindo um ejeção de raios-X. [2] Existe a possibilidade externa de que um evento como esse se destine como farol para despertar a curiosidade de outros, para assim darem uma olhada em possíveis esconderijos alienígenas.

Se for esse o caso, com desculpas ao Dr. Oliver, “Onde nos encontraremos com nossos vizinhos? Em um buraco negro, onde as espécies se reunirão no futuro distante.”


E aqui temos mais uma teoria do porquê do silêncio nas ondas de rádio. Mas será que ninguém imaginou que alienígenas avançados não utilizam esta tecnologia obsoleta? E mesmo os que estão no mesmo patamar que nós e a utilizam, será que as ondas de rádio podem realmente atravessar as enormes distâncias da galáxia sem ficaram ‘contorcidas’, aparecendo do outro lado como nada mais do que ruído espacial?

n3m3

Fonte

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh