web analytics

Encontrar sinais de vida extraterrestre em exoplanetas é como encontrar pizza no dormitório de alunos universitários

Até desenvolvermos a tecnologia de dobra espacial, a procura pela vida em outros planetas além do nosso sistema solar será feita daqui da Terra.  Ainda bem: A espaçonave Terra é obviamente a melhor nave, e daqui podemos determinar muita coisa sobre o número crescente de exoplanetas que encontramos com o telescópio Kepler.  Através de certos princípios, tais como as distâncias orbitais dos planetas e seus tamanhos, são – embora de forma imperfeita – possuímos formas de avaliar alguns planetas.

Uma outra forma é olhar a composição atmosférica de um planeta.  Se você está procurando por vida, é senso comum que se deva procurar por aquilo que a vida necessita e produza – o oxigênio na atmosfera da Terra é originário da vida das plantas, assim ele está na atmosfera por todos os cantos.  Outras moléculas, tais como a do metano ou a poluição industrial, também têm sido propostos como possíveis indicadores de vida, vindo de, por exemplo, flatulência de animais e nossas fábricas, respectivamente.

Astrônomos são capazes de olhar às moléculas nas atmosferas dos exoplanetas a partir da Terra, simplesmente analisando a luz da estrela que passa através da atmosfera de um planeta, à medida que ele transita entre a estrela e a Terra.

O problema é que encontrar um desses gases pode ser enganador, levando a um falso positivo.  Enviar uma sonda a centenas e centenas de anos-luz de distância, somente para descobrir se a atmosfera é feita toda de ozônio (O3), sem O2, ou se é simplesmente metano dos vulcões, enquanto o planeta é incapaz de abrigar a vida, seria além de desapontante.

Assim, os pesquisadores do Laboratório Planetário Virtual do Instituto de Astrobiologia da NASA têm executado várias simulações, lidando com as atmosferas, para descobrirem como se pareceria a atmosfera um planeta habitável.

Tentamos bastante fabricar sinais de falso positivo para a vida, e encontramos alguns, mas somente para o oxigênio, o ozônio e o metano, por si próprios“, disse Shawn Domagal-Goldman, do Centro de Voo Espacial Goddard, da NASA, um dos autores chefe do trabalho que foi publicado no Astrophysical Journal.  “Porém, nossa pesquisa reforça o argumento de que o metano e o oxigênio juntos, ou o metano e o ozônio juntos, ainda constituem uma assinatura forte de vida“, disse ele.

À esquerda, um ‘falso positivo’; à direita um ‘verdadeiro positivo’. Imagem: NASA

Isto é porque o oxigênio e o metano não se gostam.  Uma atmosfera carregada com um desses gases deve ter seu suprimento do outro continuamente recarregado, e a forma mais confiável disso acontecer na Terra é através de mecanismos de vida.  Assim, se ela tiver metano E oxigênio, as chances são muito melhores de que o planeta abriga algo que respira e que produza gases de flatulência.

É como alunos universitários e pizza“, Domagal-Goldman disse, expressando esta grandiosa metáfora: “Se você ver pizza num dormitório e também há alunos universitários naquele dormitório, as chances são de que a pizza foi recém entregue, porque os alunos irão rapidamente comê-la. O mesmo ocorre como o metano e o oxigênio.

Há muitos variáveis neste modelo para serem trabalhadas, não somente nos planetas, mas também nas estrelas que os planetas orbitam.  O oxigênio e o ozônio podem ser produzidos quando a luz ultravioleta quebra o dióxido de carbono, assim os tipos e proporções de luz vinda da estrela irá impactar naquilo que é visto durante o trânsito do exoplaneta (entre a Terra e a estrela em questão).

Se há mais luz ultravioleta atingindo a atmosfera, ela irá impulsionar estas reações fotoquímicas mais eficientemente“, disse Domagal-Goldman. “Para confirmar que a vida esteja produzindo oxigênio e ozônio, você precisa expandir a gama do seu comprimento de onda para incluir as características de absorção do metano.  Idealmente, você também mediria outros gases, tais como o dióxido de carbono e o monóxido de carbono [uma molécula com um átomo de carbono e um átomo e oxigênio].  Assim estamos pensando cuidadosamente a respeito das questões que poderiam nos iludir com um sinal falso positivo, e as boas novas é que através de sua identificação, podemos criar um bom caminho para evitar as questões que um falso positivo poderiam causar.”

n3m3Fonte: motherboard.vice.com

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh