web analytics

Surge nova abordagem para a procura de vida extraterrestre: detectar a poluição causada por ETs

Planeta-similar-a-Terra-concepção-artística

Concepção artística de planeta similar à Terra, orbitando uma estrela anã branca. Credito: Christine Pulliam (CfA)

A humanidade está prestes a ser capaz de detectar sinais de vida alienígena em outros mundos.  Através do estudo das atmosferas dos exoplanetas, podemos procurar por gases como o oxigênio e o metano, que somente coexistem se forem repostos pela vida. Mas esses gases são provenientes de formas simples de vida, tais como os micróbios.  E como saberíamos se a forma de vida é uma civilização avançada?  Eles deixariam algum sinal detectável?

Pode ser, se eles liberassem poluição industrial na atmosfera.  Uma nova pesquisa por teóricos do Centro Harvard-Smithsoniano para Astrofísica (CfA) mostra que poderíamos avistar as impressões digitais de certos poluentes, sob condições ideais.  Isto nos trás uma nova abordagem na procura por inteligência extraterrestre (SETI).

Consideramos a poluição industrial como um sinal de vida inteligente, mas talvez as civilizações mais avançadas do que nós, com seus próprios programas SETI, considerariam a poluição como um sinal de vida não inteligente, já que não é algo inteligente contaminar nosso próprio ar“, disse o aluno da Harvard e autor líder do estudo, Henry Lin.

As pessoas muitas vezes se referem aos ETs como ‘homenzinhos verdes’, mas os ETs que são detectáveis por este método não deveriam ser rotulados como ‘verdes’, já que eles não são amigáveis ao meio ambiente“, adicionou o co-autor Avi Loeb da Harvard.

A equipe, que também inclui o cientista Smithsoniano Gonzalo Gonzales Abad, acha que o Telescópio Espacial James Webb (JWST), que está para ser lançado, poderia ser capaz de detectar dois tipos de clorofluorocarbonetos (CFCs), que são químicos que destroem a camada de ozônio, usados em solventes e aerossóis.  Eles calcularam que o JWST poderia detectar o sinal de CFCs, se os níveis atmosféricos fossem 10 vezes maiores do que aqueles na Terra.  Um civilização particularmente avançada poderia poluir a atmosfera intencionalmente a altos níveis e esquentar globalmente um planeta que fosse de outra forma muito frio para a vida.

Há um grande ‘porém’ neste trabalho.  O JWST somente pode detectar poluentes num planeta como a Terra que esteja circulando uma estrela branca anã, que é o que resta quando uma estrela como o nosso Sol morre.  Esse cenário maximizaria o sinal atmosférico.  A detecção de poluição num planeta como a Terra, que orbita uma estrela como o Sol, requereria um instrumento mais avançado do que o JWST – um telescópio de próxima geração.

Apesar da procura por CFCs poder revelar a existência de uma civilização alienígena, ela também poderia detectar os restos de uma civilização que aniquilou a si mesma.  Alguns poluentes duram até 50.000 anos na atmosfera da Terra, enquanto outros duram somente 10 anos…

Este trabalho foi aceito para a publicação no The Astrophysical Journal.

n3m3

Fonte: www.sciencedaily.com

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh