web analytics

Mais um exoplaneta é encontrado perambulando pelo espaço

Representação gráfica de como pode ser o planeta que perambula pelo espaço

Representação gráfica de como pode ser o planeta que perambula pelo espaço. (Crédito da imagem: MPIA / V. Ch. Quetz)

Já havíamos publicado aqui no OVNI Hoje alguns artigos sobre planetas que perambulam pelo espaço, sem estarem associados a quaisquer sistemas estelares, ou seja, não orbitam ao redor de uma estrela, como nós orbitamos ao redor da nossa estrela, que é o Sol.

Na semana passada, mais uma notícia a respeito da descoberta de mais um desses planetas foi publicada.  Veja abaixo um trecho do artigo publicado por Cássio Barbosa, na seção Observatório do Portal G1:

…Nesta semana, uma equipe da Universidade do Havaí anunciou a descoberta de um planeta vagando solitário pelo espaço. Esse objeto, chamado de PSO J3218.5-22 (PSO para os íntimos) foi encontrado na constelação de Capricórnio, em um esforço observacional para se detectar anãs marrons, um tipo de estrela que não conseguiu acumular matéria o suficiente para iniciar o processo de fusão nuclear. Apesar disso, as anãs marrons produzem radiação infravermelha, por causa da dinâmica de seus gases. O objeto PSO surgiu justamente dos catálogos produzidos na busca desse tipo de estrela. Aliás, esses catálogos têm, até agora, um tamanho de 4 mil Terabytes, mais que a soma de todos os livros já publicados, do que todos os filmes feitos e de todas as músicas já escritas!

Depois de detectado, esse objeto foi acompanhado por 2 anos seguidos, com observações precisas que permitiram deduzir que sua distância é de 80 anos luz apenas. Além disso, pelo seu movimento próprio, a equipe liderada por Michael Liu conseguiu deduzir que o PSO pertence a um conjunto de estrelas conhecido como “grupo móvel de Beta Pictoris”, que teria se formado há 12 milhões de anos.

Ninguém sabe ao certo como esse planeta teria se formado, a primeira hipótese é ele teria sido formado junto com as estrelas desse grupo e, por interações gravitacionais mútuas, teria sido “estilingado” do sistema. Essa hipótese encontra resistência por que o PSO tem 12 milhões de anos também.

Outra ideia é que o planeta tenha se formado a partir do colapso de uma nuvem de gás, tal qual o processo de formação de uma estrela, mas em escala menor. Apesar de a ideia ser um tanto estranha, isso já foi observado, pelo menos uma vez, é o caso de OTS44. Esse objeto está cercado por uma nuvem e é possível observar gás caindo em direção a ele. OTS44 tem, no máximo, 2 milhões de anos apenas e estaria ainda em processo de acúmulo de matéria.

Esses dois objetos são considerados planetas, mas tem gente que torce o nariz. Planetas se formam e, ao menos em princípio, se mantêm ao redor de estrelas. O processo de formação através do colapso de uma nuvem é a descrição do processo de formação de estrelas. Em termos de massa, há um consenso, não muito firme, de que objetos com mais de 12 vezes a massa de Júpiter deveriam ser considerados estrelas, apesar de alguns catálogos listarem planetas com 24 vezes a massa de Júpiter. OTS44 tem massa de estrela (12 massas de Júpiter) e se forma como estrela, mas ainda assim é considerado planeta. Já PSO tem apenas 6 massas de Júpiter, o que o deixa definitivamente na classe de planetas. Se ele se formou como OTS44 está se formando, então as teorias de formação de planetas vão precisar de uma boa revisão.

Além de ser um caso interessante, PSO deve ser o planeta solitário menos massivo conhecido até agora, sua descoberta abre excelentes perspectivas para o estudo de exoplanetas. Obter uma imagem de um exoplaneta é muito difícil, pois o brilho da estrela é muito maior, o que o ofusca. Estudos da atmosfera dos exoplanetas descobertos até agora foram feitos de forma indireta. Agora, a descoberta de PSO nos dá a oportunidade de estudar não só a composição química, mas também a dinâmica de atmosferas dos exoplanetas de maneira direta.

-Cássio Barbosa

n3m3

Fonte: Portal G1

Colaboração: Ayrton Cavalo

Termos recém pesquisados por leitores:

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh