web analytics

”O Observatório do Vaticano é como a Enterprise da série Star Trek”

Coma permissão do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, publicamos o artigo abaixo, que teve origem no jornal La Repubblica, de 10-08-2013 e a tradução é de Moisés Sbardelotto:

Gabriel Funes

Jesuita José Gabriel Funes.

O jesuíta José Gabriel Funes (foto), diretor do observatório astronômico e centro de pesquisa científica da Igreja, escreve no L’Osservatore Romano: “Eu sou um trekkie [fã da série Star Trek]. A nossa missão é a de ir longe, rumo à periferia mais distante, à fronteira final“.

Coirmão e compatriota do papa, o jesuíta José Gabriel Funes, astrônomo e diretor da Specola Vaticana, o Observatório do Vaticano, faz parte da geração que cresceu assistindo a Star Trek, a série original, à tarde, depois de fazer o tema de casa para a escola. “Eu posso dizer“, escreve ele no L’Osservatore Romano, “que eu sou um trekkie, mais do que fã de Star Wars“.

Recordando no seu editorial o convite que Francisco dirigiu aos jesuítas, e a toda a Igreja, de frequentar as periferias, o cientista e religioso cita as míticas palavras da antiga série de TV: “Espaço: a fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Enterprise. Prosseguindo em sua missão de explorar novos mundos, procurar novas formas de vida e novas civilizações, para audaciosamente ir onde ninguém jamais esteve“.

Acho essas palavras particularmente bonitas”, explica Funes, “porque elas interpretam o desejo, muito humano, de conhecer e explorar o universo“.

Essa também é a missão do Observatório do Vaticano. O Papa Francisco“, lembra Funes, “convidou-nos a percorrer caminhos da pesquisa, caminhos criativos. A ciência é um desses caminhos que os jesuítas percorreram ao longo dos séculos“.

O diretor do Observatório do Vaticano insere a sua reflexão “no contexto do convite de Francisco a ir para as periferias“, que, escreve, “está na linha da exortação que Bento XVI dirigira à Congregação Geral da Companhia de Jesus em 2008, afirmando que a Igreja precisa de religiosos que dediquem a sua vida a estar justamente nas fronteiras entre a fé e o saber humano, a fé e a ciência moderna, a fé e o compromisso com a justiça“.

A missão do Observatório do Vaticano“, conclui o jesuíta argentino, “faz parte desse ir às periferias mais distantes, à fronteira final, se assim podemos dizer, porque diz respeito ao universo: vamos longe, porque estudamos as galáxias mais distantes, mas também vamos para trás, no sentido de que exploramos, do ponto de vista da ciência, o início do universo

Nossos agradecimentos à Evlyn Zilch, do IHU pela permissão de publicação e ao Carlos de Abreu pela indicação do artigo.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh